Follow by Email

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

FOTOPOEMA

DAS RELÍQUIAS


A palavra assalta o poeta:
salta as teclas, na ânsia de parir-se.
Parte, sem podas, do invisível.
E a mão que há tempos abandonou a pena
roga, às pressas, à antiga pauta,
que ampare o poema.

Carmen Moreno

4 comentários:

  1. Querida Carmen:

    Foi com uma imensa felicidade que descobri tua arte navegando no site "Alma do Poeta" do Sr Luiz Proa e olhando no link Poetas3x4 descobri a beleza de sua prosa e poesia. Realmente amo escrever poesias e gostaria de saber de você que é uma pessoa bem mais ambientada neste meio, como proceder, pois gostaria muito de publicar minhas poesias. Adorei teu blog e tudo que vi. Um afetuoso abraço e espero tua visita em meu blog quando tiver um tempinho livro na tua agenda corrida.
    www.lua2gatos.blogspot.com
    Até mais.

    ResponderExcluir
  2. Olá Edilson,

    Obrigada por prestigiar meu trabalho.
    Agora mesmo visitarei seu blog e deixarei um comentário, dando continuidade à nossa troca.

    Abs,
    Carmen Moreno

    ResponderExcluir
  3. Belo jogo de palavras metalinguísticas, Carmen. Lembrou-me o inesquecível Paulo Leminski, de versos curtos e inteligência aguçada.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Oi Frodo,

    Que delícia de elogio, sobretudo sendo do meu editor (rss). Amo o Leminski.
    Tive a ideia da foto, realizei a imagem e depois criei o poema. É um exercício novo para mim.

    Visitando sua página, fiquei contente ao encontrar, desde já, entre as capas da Multifoco, o meu Loja de Amores Usados, que será lançado em 26 de Maio.Ótima surpresa!

    Grande beijo,
    Carmen Moreno

    ResponderExcluir