Follow by Email

domingo, 7 de julho de 2013

O humor de Carmen Moreno

Crônica canina: 

A humanização dos bichos ou 

a bestialização dos humanos

Hoje vi uma menininha linda, vestida de rosa... Não, quer dizer, acho que era uma cachorrinha vestida de rosa. Sim, agora recordo, era mesmo uma cachorrinha, claro: lembro de ter notado um pequeno rabinho balançando, para fora do vestidinho rosa. Identifiquei esse traço da sua espécie, absolutamente peculiar e inconfundível. Claro, o rabinho destoava de todo o resto do visual. Mas não chegava a estragar a beleza da menininha. Digo, cachorrinha.

Seguia rebolativa, com uma chuca, também rosa, na cabecinha, combinando com o traje principal. Ah, ia me esquecendo! Tinha uma parte dos cabelos pintada na cor lilás, penteada em cachos sobre as orelhinhas. Lindo! Eu disse cabelos? Não, desculpem, estou me confundindo de novo. Pelos! Eu queria dizer pelos, claro. Pelos pintados de lilás. É, os cachorros adoram tinturas. Sim, tinta natural, óbvio! Bom, a menininha... a cadelinha usava uns óculos magníficos! Fiquei impressionada com o bom gosto de sua mãe. Digo, de sua dona. É assim que se fala? Pois é, que bom gosto.

Os óculos da fofinha eram azuis! Uau! Au, au! Quase parei para perguntar à cachorrinha onde ela comprou... ops, perguntar à dona. Do mesmo estilo dos óculos que costumo usar: pequenos e redondinhos. E com lentes azuis, as minhas preferidas. Ela devia estar tão feliz vendo o mundo humanizado! O mundo visto sob a ótica de suas amiguinhas maiores, de duas patas, como eu. Digo, duas pernas. Aliás, as quatro patinhas também a distinguiam da outra espécie, a humana. As patinhas e o rabo serviam, com certeza, para assegurar a identidade da mocinha, caso esbarrasse com um espelho pelas ruas e tivesse dificuldade de se reconhecer canina. O focinho não servia para nada, pois foi tragado pelos óculos.

Ah, já ia me esquecendo dos sapatinhos, meu Deus! Claro, combinavam com a cor do vestidinho, que, se alongando pelo corpitcho moreno, ou marrom se preferirem, culminava nuns babados fashion ao redor da bundinha. Uma gracinha, parecia um brinquedo de pilha. Mas era uma cadelinha, e não tenho dúvidas de que estava se sentindo muito confortável com a decoração especialmente natural daquela tarde. Não, a boquinha estava livre, sim. É, sem focinheira. Se ela quisesse, poderia até treinar e latir.

Mas quando a garotinha, digo, a cachorrinha crescer e quiser namorar, se tiver inclinação para gostar de cachorro rústico, não esses mauricinhos que saem cheirosos dos pets depois do banho, com suas gravatinhas azuis. Mas se gostar de cachorro à moda antiga, sem tantos disfarces, e quiser pegar algum por aí, não vai rolar: dificilmente será reconhecida por eles como um ser da mesma espécie. E se crescer moça letrada, que não se contenta com os infindáveis passeios aos 50 pet shops do seu bairro carioca, se crescer cachorra culta, cadela leitora como eu, vai precisar engrossar as pernas e preparar as patas para as duras caminhadas em busca de uma livraria.


Carmen Moreno


Encontrei a modelo para minha crônica:
Foto retirada do Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário