Follow by Email

terça-feira, 12 de maio de 2015

Poema inédito de Carmen Moreno

FÁBULA DA FILHA QUE VIROU MÃE

A mãe não costura mais o vestido da menina magricela.

Que não é mais magricela nem menina: cresceu por meio século.

A mãe tornou-se filha, quando os passos ficaram miúdos e os cabelos rareados.

Mora na cama do quarto, tangenciando o centenário e seu ônus.

Entre fraldas e enfermeiras, seu sorriso ensina a filha a ser rocha.

Inútil sofrer, temer a data, enfeitá-la para partir serena e sem danos...

A morte é sempre súbita, por mais que bafeje no cangote dos relógios,

e prometa visita sob o martelo dos doutores.

Mas a dita não traz na lápide o fim anunciado:

A mãe nunca partirá, costurada que está na alma da menina,

desdobrada no seu melhor gesto,

nas palavras espalmadas aos carentes de mãe e de sonho.

A mãe não é mais a fala fluida, a casa antiga, os bordados de flor,

a samambaia chorona, o jardim.

Não rega mais as plantas, não planta.

Mas é plena plantação.


Carmen Moreno

Foto: marcadores de livro 
bordados por Carmen Castilho Cardoso 
(mãe da autora)

2 comentários:

  1. Encantador o seu texto, querida. Parabéns. Beijos, Carla Giffoni

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Carla Giffoni. Perdão por não responder antes! Por incrível que pareça, li seu generoso comentário hoje, dois anos depois. Beijos morenos

      Excluir